Boa noite, pessoal! Hoje vamos falar de um dos espaços que temos mais orgulho de ter na Fazenda: a nossa horta!

Imagem ilustrativa

A horta da Fazenda das Aroeiras

Por muitos anos, nossa horta foi cultivada e cuidada com muito carinho pelo Sr. Antônio, e hoje quem faz esse trabalho tão importante é o Roberto, ambos são funcionários da Fazenda das Aroeiras. Na horta, temos diversos tipos de legumes e verduras: alface (americana, crespa e roxa), tomatinhos, jiló, pimentão, abobrinha, repolho, brócolis, almeirão, espinafre, couve, cebola, cebolinha, salsinha, rúcula, berinjela, quiabo, entre outros.  Cada produto tem o seu tempo de cultivo, por isso a cada semana a variedade de hortaliças prontas para serem colhidas é diferente.

É da nossa horta que saem as folhas para preparar a salada do nosso Bistrô e também alguns ingredientes que compõem as entradas e os pratos principais. Funcionários, amigos e familiares costumam fazer “a feira” na nossa horta, e de vez em quando também vendemos alguns itens para visitantes. As hortaliças que ficam velhas e que passam do tempo de colher são reaproveitadas como comida para as nossas galinhas, que ficam bem ao lado da horta, aguardando ansiosas por alguma sobrinha. Mas a horta não é apenas um lugar para colher alimentos, é também uma oportunidade de aprender um pouco mais sobre a origem daquilo que consumimos e refletir sobre nossa alimentação: o quanto somos conscientes sobre ela?

O que é alimentação consciente?

Uma alimentação consciente requer uma mudança no modo como pensamos sobre nossa comida. Aquilo que consumimos impacta diretamente no funcionamento do nosso corpo, na nossa energia para encarar o dia-a-dia e na nossa saúde mental e física. Assim, precisamos dar mais atenção ao nosso alimento, nos preocupando com ele desde a sua produção até o momento do consumo. O caminho para uma alimentação consciente requer a adoção de alguns hábitos, como:
– Observar técnicas de plantio sustentáveis (que não usem agrotóxicos, sementes transgênicas ou radiações ionizantes, por exemplo);
– Observar os rótulos de produtos industrializados;
– Preocupar-se com a forma de conservação dos alimentos;
– Dar a devida importância à hora das refeições;
– Promover a diversidade de alimentos nos pratos.

O uso de agrotóxicos

Para se falar de alimentação consciente no Brasil, é preciso falar também do intenso uso de agrotóxicos na agricultura brasileira e dos impactos dessa prática na saúde da população. Esse assunto vem sendo discutido há alguns anos e ganhou força novamente após as notícias de que até outubro deste ano o Ministério da Agricultura já havia liberado o uso de 382 agrotóxicos novos (caso queira ler as notícias, acesse os links: 1, 2, 3 e 4) . Os agrotóxicos são produtos químicos utilizados para controlar alguns fatores que causam danos às plantações. O problema é que esses produtos fazem mal para a saúde do ser humano, e é por isso que existe todo um controle sobre a quantidade máxima que cada alimento pode conter de cada substância.

No entanto, essa é uma questão complexa: esse controle ainda não é completamente seguro e precisa ser aprimorado. E mesmo que esse controle fosse perfeito, é preciso ressaltar que continuaríamos consumindo agrotóxicos. A essas “pequenas” quantidades permitidas por lei, soma-se ainda os resíduos dessas substâncias que ingerimos sem saber, eles podem ser encontrados na água e também em outros alimentos que não provêm do solo.

Assim, não conseguimos saber ao certo qual a quantidade de agrotóxicos que ingerimos todos os dias. E não conseguimos avaliar com precisão quais as consequências do consumo contínuo e prolongado de alimentos cultivados com o uso de agrotóxicos. Mas o pouco que sabemos hoje já é preocupante: estudos mostram que o acúmulo de alguns resíduos no corpo humano pode provocar desde náuseas e desmaios até lesões renais e diversas doenças crônicas. 

A agricultura orgânica

Por todos esses motivos é que, cada vez mais, têm-se incentivado o consumo de alimentos provindos da agricultura orgânica ao invés da tradicional (que utiliza agrotóxicos). A nossa horta é um exemplo de agricultura orgânica. Isso significa que não utilizamos agrotóxicos ou adubos químicos de alta solubilidade. Nós trabalhamos com estercos, adubos verdes, compostos orgânicos e meios naturais de controle de pragas, doenças e plantas invasoras. Além disso, procuramos respeitar os ciclos naturais da vida e realizar uma atividade sustentável e equilibrada, contribuindo, assim, com a saúde de todos: agricultor, consumidor e meio ambiente.

Fonte: Guia “Alimentos orgânicos: um guia para o consumidor consciente”

Mais informações

É por isso que a nossa horta é um espaço tão valioso para nós! Se vier nos visitar, peça para conhecê-la! Para quem se interessou pelo assunto e quer explorá-lo melhor, indicamos as fontes que utilizamos para escrever esse texto:
– O guia “Alimentos orgânicos: um guia para o consumidor consciente” de Moacir Roberto Darolt, produzido pelo Instituto Agronômico do Paraná (IAP) com o apoio da Associação dos Consumidores de Produtos Orgânicos do Paraná (ACOPA). Disponível aqui.
– O “Dossiê ABRASCO: um alerta sobre os impactos dos agrotóxicos na saúde”, da Associação Brasileira de Saúde Coletiva (ABRASCO).
Disponível aqui.

Para finalizar, seguem algumas dicas sobre o que fazer quando não for possível consumir alimentos orgânicos :

Fonte: Guia “Alimentos orgânicos: um guia para o consumidor consciente”

Esperamos que tenham gostado do texto de hoje! Deixe o seu comentário 🙂

2 Comentários

  1. Olá!
    Adorei o texto!
    Muito bom saber que a fazenda possui este espaço, mostrando cada vez mais uma enorme sensibilidade no tratamento a seus clientes!

Deixe uma resposta

seu endereço de e-mail não será publicado.

*